google-site-verification: googleeca2fa03cb6b6725.html

Dia dos Fiéis Defuntos

sábado, 27 de agosto de 2011

22º Domingo Comum (28.08.11)

Homilia do 22º Domingo Comum (28.08.11)

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista
“Seduziste-me, Senhor!”
Ansioso vos busco.
O profeta Jeremias é uma das expressões do Servo Sofredor que luta para libertar o povo do grande pecado que é firmar-se somente nas estruturas visíveis. Jeremias sofre por isso, pois está cansado em bater de frente com as autoridades e o próprio povo. Deus manda que tenha coragem, pois fez dele um muro de bronze… pois, lutarão contra ti (Jr 1,18). O templo, que era lugar do encontro com Deus e estímulo a uma vida de fidelidade, tornou-se um objeto somente de exterioridade, como um amuleto supersticioso. Jeremias ataca esse culto idolátrico (i.é usar Deus) das autoridades e do povo. O profeta conhece a vontade divina e a ela se entrega como quem se deixa possuir. A Palavra de Deus era um fogo que estava dentro dele com uma força que ele não conseguia reprimir. Este zelo por Deus e pela fé o faz continuar fiel na perseguição, nos sofrimentos e nas fragilidades. Não arreda o pé. A experiência de Jeremias é explicitada pelo salmo. Assim acontece quando há uma opção clara por Deus que se torna a fonte da vida e a meta de tudo o que se faz: “Deus, desde a aurora, ansioso vos busco. Minha alma tem sede de vós, minha carne também vos deseja, como terra sedenta e sem água” (Sl 82). É o momento de analisarmos nossa opção de fé. Temos dois tipos de religião cristã: O que faz coisas espirituais boas, e o que vive em Deus. Sem essa busca enlouquecida de Deus, jamais, poderemos fazer da Palavra fonte de vida; dos sacramentos um encontro com Deus; da oração um diálogo com Deus, e do amor a razão da vida. Não existe uma fé sem Deus. Então nós fazemos como os contemporâneos de Jeremias tendo uma religião baseada numa tradição ou em ideologias. Defendemos princípios, mas não temos dentro de nós um fogo que nos consome que é o próprio Deus.

Tome sua cruz
Deixar-se seduzir por Deus tem como resposta a cruz de Cristo. Chamamos a cruz de sinal do cristão. Jesus começa a catequese mais aprofundada dos discípulos dizendo que sua morte é parte de sua missão. Pedro quer tirá-lo do caminho e recebe a reprimenda como dirigida a uma atitude de quem atrapalha o caminho de Jesus. Jesus tem em mente sua missão de Servo sofredor e Pedro a visão do Messias glorioso. O fundamental para esse encontro com Deus em Cristo que leva a cruz é a abnegação. Não é perder-se, mas buscar o tudo. Ganhando a alma, ganhamos tudo. Perdendo a alma, perdemos tudo. Toda a fortuna do mundo não vale a conquista do próprio coração, da própria vida. Ganhar a alma é ter a conduta de quem descobriu o verdadeiro valor da vida, o Reino. Não ficamos sozinhos, pois rezamos: “Minha alma se agarra em vós; com poder vossa mão me sustenta” (Sl 62).

Culto Espiritual
Pela vida em Cristo e no Espírito podemos ser um sacrifício espiritual. O sacrifício espiritual acontece em nosso corpo, por isso Paulo diz: “Exorto a vos oferecerdes como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus: este é o vosso culto espiritual”(Rm 12,1). O culto cristão é em primeiro lugar e fundamentalmente no interior. Sem esse o culto público perde seu conteúdo. As atitudes fundadas no Espírito de Jesus são as oferendas. Por isso Paulo insiste: “Não vos conformeis com o mundo… mas transformai-vos renovando vossa maneira de pensar… distinguindo qual é a vontade de Deus” (2). O que vemos é as pessoas conformarem a fé à mentalidade do mundo. Se tivermos a sedução de Deus, vencemos.

Leituras:
Jeremias 20,7-9;Salmo 62; Romanos 12,1-2; Mateus 1,21-27

Homilia do 22º Domingo Comum (28.08.11)
1. Jeremias é uma das expressões do Servo Sofredor que luta para libertar o povo do mal. Reconhece a vontade divina e a ela se entrega. A Palavra de Deus é um fogo que está dentro de seus ossos. A fé o faz fiel a Deus e não recua. Tem a opção clara por Deus. É preciso a busca por Deus. Não há fé sem Deus. Não pode ser baseada em tradições e ideologias.
2. Deixar-se seduzir é assumir a Cruz como fruto da abnegação que dá a Deus o valor fundamental. Perder a alma é perder tudo. Ganhar significa ter a conduta de quem descobriu o verdadeiro valor da vida, o Reino.
3. Pela vida em Cristo e no Espírito podemos ser um sacrifício espiritual que acontece em nosso corpo. O culto cristão se faz primeiro no interior. As atitudes fundadas no Espírito são as oferendas. A meta é não se conformar com o mundo, mas transformar-se renovando o modo de pensar. Se tivermos a sedução de Deus, vencemos.

Saco vazio não para em pé.
Jesus, na palavra de hoje, ensina o sentido da vida: Deixar tudo para ter tudo. Os bens materiais são um nada. Vemos tantos grandões, endinheirados e poderosos deitados no caixão. Não levam nada! Nadinha de tudo. Nem reclamam.
Os que escolhem Jesus perdem muitas coisas, mas ganham o Tudo. É preciso manter esta escolha que deve ser total. Só assim será consistente.
O profeta Jeremias era um fraco, dizem que era medroso. Para mim, ele era um sofredor forte que tirava sua resistência na escolha que fez de ser de Deus. Isso não o deixava fracassar, mesmo quando bonita demais: Disse comigo: “Não quero mais me lembrar disso, nem falar mais em nome Dele”. Senti, então, dentro de mim um fogo ardente a penetrar-me o corpo todo”.
Sem esse Deus dentro de nós, não paramos em pé. Saco vazio não para em pé. Cheio das maldades do mundo. Não dobra.

Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista



Uma ótima semana a todos!







Postagem:
Pe. Francisco Ivo

Paróquia São Pedro e São Paulo

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Homilia da Assunção de Maria (21.08.11)

Homilia da Assunção de Maria (21.08.11)



Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista
“O Senhor fez em mim maravilhas”
Em união a Cristo
“Na festa da Assunção, a Igreja faz memória específica da total assimilação da Mãe de Deus a seu Filho, a partir da Ressurreição e Glorificação do Filho, na glorificação da pessoa – a alma e corpo – daquela que por primeira, esperança nossa, foi assumida depois de seu Filho na Glória divina” (T.Frederici). Cristo tomou a carne humana do seio de Maria e esteve, assim, unido intimamente a Ela. Com razão é chamada Mãe de Deus, pois Ele é Deus. Maria, por ter unido a si o Filho, esteve intimamente unida a Ele desde o primeiro instante de Sua Encarnação. Toda a vida de Maria está unida a Cristo pela assimilação total da Mãe de Deus a Seu Filho. Esta assimilação se dá também em sua Ressurreição e Glorificação. Por isso é glorificada. O fundamento da Assunção de Maria está nos méritos de Cristo em cuja previsão foi Imaculada e por cuja Glorificação foi levada ao Céu de Corpo e Alma. O sentido da festa da Assunção está ligado à Ressurreição de Cristo. Vencendo a morte, a Assunção de Maria dá-nos a certeza que Cristo venceu a morte não só para si mas para todos os homens. A Ressurreição de Cristo é garantia para a nossa ressurreição. A Assunção dá a certeza desta ressurreição, pois uma de nós, já a conquistou.
Eis a serva do Senhor Maria, ao tomar conhecimento das grandezas que Deus lhe concedeu, reconhece o Criador e sua pequenez diante Dele. Ela não é humilhada pela grandeza de Deus, mas o reconhece como todo poderoso e misericordioso para com todos. A bondade misericordiosa que teve para com ela é em favor de todos. Jesus diz: “Sede misericordiosos, como vosso Pai celeste é misericordioso” (Lc 6,36). Somos chamados a tomar conhecimento das grandezas que a graça de Cristo operou em nós. Somos chamados a dizer: ‘Minha alma glorifica o Senhor porque olhou para nossa humildade e nos colocou a serviço do Reino’. Podemos, com Maria, reverter o quadro do sofrimento do povo passando de uma religião intimista e individualista para uma fé transformante das estruturas do mundo pervertido pelo mal. É este mesmo mal que quebrou a mulher-Eva no Paraíso e é quebrado ao meio pela Mulher -Maria que não mordeu o fruto do pecado mas sim colheu o fruto da árvore da Vida, Jesus. Na Glória, Maria continua a Serva do Senhor em favor de todo o povo, como suplica em Caná: “Eles não em mais vinho!”. Continua atenta à perseguição que fazem aos filhos que, na realidade, é a seu Filho. Ela, perseguida pelo dragão, é símbolo da Igreja perseguida no mundo de hoje por tantos dragões. Mas este verão o seu fim. O mal será enfim vencido.
Participando de sua glória No salmo temos a figura da rainha que é levada ao rei acompanhada das amigas. Estas representam a comunidade que está com ela. O Rei se encantou com sua beleza (Sl 44,12). Participar da glória de Maria é ser irmão de seus filhos. Quem retira Maria da vida da Igreja, retira-se dos irmãos, como podemos contemplar no panorama de tantos que ferem o coração do povo acolhedor brasileiro que não foi feito para a malquerença. Implantada a morte do pecado, nós a vencemos com Cristo, como Maria venceu. A festa da Assunção de Maria é a festa da Igreja que nela se vê vitoriosa, como rezamos: “Aurora e esplendor a Igreja triunfante, ela é consolo e esperança para o povo ainda em caminho” (Prefácio). Em cada celebração rezamos com a gloriosa a Mãe de Deus e nossa Mãe. Ela continua dando Jesus.
Leituras:Apocalipse 1,19,a;12,1.3-6ª.10ab;Salmo 44; Coríntios 15,20-27ª; Lucas 1,39-56:
Homilia da Solenidade da Assunção de Maria (21.08.11) 1. A Mãe de Deus é assimilada ao Filho na Ressurreição e na glorificação. Como uniu a si seu Filho na Encarnação é assumida por Ele na Glorificação. Pelos méritos de Cristo é Imaculada e por sua Glorificação é glorificada. A Assunção de Maria é certeza que Deus dará a ressurreição a todos.
2. Maria reconhece o poder de Deus e sua pequenez diante dele. Somos também enriquecidos de tantas graças. E por elas nos colocamos a serviço do povo de Deus para uma mudança de situação. A Mãe perseguida salva o Filho e os filhos.
3. A comunidade está com ela. Participar da glória de Maria é ser irmão de seus filhos. Não se pode tirar Maria da Fé. O brasileiro não ama malquerença na fé. Vencemos com Cristo, como Maria venceu.
Pisando em cobra Na imagem da Imaculada Conceição e Nossa Senhora das Graças, Maria está pisando uma cobra. É uma lição. Para mim, cobra, nem pintada. Mas esta nós temos que enfrentar. A cobra simboliza a tentação que pode destruir a vida de Deus em nós. Eva foi tentada no Paraíso e caiu. Maria (a mulher do Apocalipse) é perseguida pelo Dragão e vence e salvando seu Filho e nós que também somos seus filhos.
Celebrar a Assunção de Maria ao Céu é reconhecer o que ela própria reconhece: a grandeza de Deus que salva. Essa salvação é receber de Deus o imenso dom de sua misericórdia.
A grande misericórdia de Deus para com Maria, livrando-a de todo o pecado, em vista dos méritos de Cristo em sua Paixão, é levar sua ressurreição à sua plena realização: levá-la ao Céu de corpo e alma já na sua morte.
A Assunção de Maria não é privilégio só dela. Jesus indo para o Céu na Ascensão levou consigo nossa natureza humana. É natureza marcada pela Divindade. O corpo de Maria, que faz parte de nossa humanidade pecadora, levou consigo para o Céu a natureza humana recuperada pela graça da Redenção que ela recebeu de modo admirável ao ser concebida.
Pe. Luiz Carlos de Oliveira, Redentorista
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Noticias de Roma

Domingo, 02 de maio de 2010, 11h47

Papa venera Santo Sudário em Turim, norte da Itália

Da Redação

''Cristo enfrentou a cruz para colocar um limite ao mal'', diz Papa em Turim
Bento XVI realizou, neste domingo, sua visita pastoral à cidade de Turim, norte da Itália, para venerar o Santo Sudário, mortalha que teria envolvido o corpo de Cristo ao ser colocado no túmulo. O pontífice partiu esta manhã às 8h15 do aeroporto romano de Ciampino e chegou às 9h15 locais ao aeroporto de Turim, onde foi acolhido pelo Cardeal Severino Poletto, Arcebispo de Turim, e outras autoridades eclesiais, além dos representantes do governo e pelo prefeito dessa cidade. A seguir, o Papa se dirigiu para a Praça São Carlos onde foi acolhido por mais de 50 mil fiéis. Bento XVI agradeceu a população de Turim pelo caloroso acolhimento e iniciou a celebração da Eucaristia. Em sua homilia, Bento XVI ressaltou que no passado a Igreja em Turim "conheceu uma rica tradição de santidade e generoso serviço aos irmãos graças à obra de zelosos sacerdotes, religiosos, religiosas de vida ativa e contemplativa e de fiéis leigos". Sendo assim, as palavras de Jesus no Evangelho de hoje, 'Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros', "adquirem uma ressonância particular para esta Igreja, uma Igreja generosa e ativa, a começar por seus padres" – frisou o papa. O Santo Padre sublinhou que "amar os outros como Jesus nos amou é possível somente com aquela força que nos é comunicada na relação com Ele, especialmente na Eucaristia, em que o seu Sacrifício de amor que gera amor se torna presente de modo real". O Papa disse aos sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas de Turim, para que "centralizem sua existência no essencial do Evangelho; cultivem uma real dimensão de comunhão e fraternidade dentro do presbitério, de suas comunidades, nas relações com o Povo de Deus; testemunhem no ministério o poder do amor que vem do Alto". O Pontífice sublinhou que "a vida cristã, caros irmãos e irmãs, não é fácil; sei que também em Turim não faltam dificuldades, problemas, preocupações: penso, em particular, naqueles que vivem concretamente a sua existência em condições de precariedade, por causa da falta de trabalho, da incerteza pelo futuro, pelo sofrimento físico e moral; penso nas famílias, nos jovens, nas pessoas idosas que muitas vezes vivem a solidão, nos marginalizados, nos imigrantes". Bento XVI exortou as famílias "a viverem a dimensão cristã do amor nas simples ações cotidianas, nas relações familiares superando divisões e incompreensões, ao cultivar a fé que torna a comunhão ainda mais sólida". "Aquele que foi crucificado, que partilhou o nosso sofrimento, como nos recorda também, de modo eloqüente, o Santo Sudário, é aquele que ressuscitou e nos quer reunir todos em seu amor. Cristo enfrentou a cruz para colocar um limite ao mal" – disse ainda o Pontífice. O Papa exortou a Igreja em Turim a permanecer firme naquela fé que dá sentido à vida e que jamais perca a luz da esperança no Cristo Ressuscitado, "que é capaz de transformar a realidade e tornar novas todas as coisas" – concluiu o Santo Padre. Siga o Canção Nova Notícias no twitter.com/cnnoticias Conteúdo acessível também pelo iPhone - iphone.cancaonova.com

CONFRATERNIZAÇÃO 2007

http://www.youtube.com/watch?v=UrJ7YOPI3s4 http://www.youtube.com/watch?v=09fkNCasW2Y

Faça seu Cadastro


Nome:

Endereço:

Telefone:

Data Nascimento:

E-Mail:

Mensagem: