google-site-verification: googleeca2fa03cb6b6725.html

Dia dos Fiéis Defuntos

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

III DOMINGO DO ADVENTO


Pe. Francisco IVO, CM 

Dia 11/12/2011 - Domingo
III DOMINGO DO ADVENTO
(COR ROXO  – III SEMANA DO SALTÉRIO)

Os versículos escolhidos para este III Domingo do Advento nos põem em contato com a figura de João Batista. Ele projeta luz sobre a missão da testemunha. Mostra, também, que o testemunho supõe, na maioria dos casos, uma situação hostil e de conflitos. A testemunha é uma pessoa comum, um ser humano, com identidade própria, que Deus credenciou. A missão de João é ser testemunha e dar testemunho da luz, a fim de que todos cheguem à fé. Introduzindo o tema da luz, o evangelista mostra o conflito que envolve a testemunha. De fato, pouco antes, o Prólogo afirmara que as trevas tentaram apagar a luz. É uma referência ao tipo de sociedade que busca sufocar a vida em todas as suas expressões.
O povo da Bíblia dizia que a Lei de Moisés era a luz da humanidade. Esta só teria vida quando tivesse aceitado o jugo da Lei. O Prólogo, ao contrário, garante que a vida trazida por Jesus, e não a Lei, é que é a luz da humanidade. Quando o mundo todo se unir em torno da defesa da vida, então é que poderemos afirmar que a vida trazida por Jesus começa a se realizar de modo pleno.
Os estudiosos concordam em afirmar que os judeus não são o povo como um todo, e sim as lideranças injustas instaladas em Jerusalém: elas estão atentas e prontas a tomar medidas contra qualquer pessoa que pretenda desestabilizar o sistema de morte por elas implantado. Antes de tentar apagar a luz-vida que é Jesus, elas querem eliminar João, a testemunha. Isso porque o grupo de sacerdotes e levitas enviados de Jerusalém é uma espécie de comissão de inquérito que vai investigar as intenções, palavras e ações da testemunha que é João. Os levitas são a polícia do Sinédrio, o supremo tribunal daquele tempo. A comissão investigadora vai logo perguntando: Quem é você? A resposta de João nos fala das suspeitas dos investigadores: temiam que João se declarasse o inaugurador de nova ordem social, um líder de movimento popular que se opusesse às autoridades existentes. Os que enviaram policiais de Jerusalém têm medo de perder cargos e privilégios, pois imaginam que o Messias que está para chegar seja um reformador das instituições. João nega também ser Elias e o Profeta. Naquele tempo pensava-se que Elias viria para restaurar o povo da antiga aliança. João não anuncia um restaurador, e Jesus jamais o será, pois ele é o portador da nova Aliança baseada na vida. Pensava-se também que o Profeta seria uma espécie de segundo Moisés, na linha da promessa contida em Dt. 18,15. João não anuncia o continuísmo tradicional, pois Jesus irá trazer a novidade da nova Aliança.
A comissão de inquérito sossega um pouco, mas não se satisfaz. E continua investigando: Quem é você? Temos que levar uma resposta aos que nos enviaram. Quem você diz que é? João se autodefine como uma voz que grita no deserto: Endireitem o caminho do Senhor. Mencionando o deserto, o evangelho aponta para a nova sociedade que está para chegar com Jesus. João veio tirar os obstáculos que impedem a construção do novo. E os principais empecilhos são justamente as autoridades que mantêm o povo dominado. Elas entortaram o caminho do Senhor, impedindo ao povo o acesso à vida. Os investigadores não se contentam e procuram pôr a testemunha contra a parede: Então por que você batiza, se não é o Messias, nem Elias, nem o Profeta? Os fariseus acreditavam que batizar fosse, de certo modo, assumir as prerrogativas do Messias, de Elias e do Profeta que viriam para renovar as instituições. Para João, o batismo tem outro sentido. Com esse gesto ele quer demonstrar a ruptura com a instituição e o tipo de sociedade que ela representa, apontando para um batismo novo, que consiste na aceitação daquele que não conhecemos de forma plena. Só conheceremos plenamente a Jesus quando aderimos de modo total ao projeto de liberdade e vida que ele traz.
Que o Bom Deus nos ajude a abraçarmos de forma mais vigorosa o Projeto trazido por seu Filho Jesus.


Uma ótima semana a todos!

Pe. Francisco Ivo
Paróquia São Pedro e São Paulo

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Noticias de Roma

Domingo, 02 de maio de 2010, 11h47

Papa venera Santo Sudário em Turim, norte da Itália

Da Redação

''Cristo enfrentou a cruz para colocar um limite ao mal'', diz Papa em Turim
Bento XVI realizou, neste domingo, sua visita pastoral à cidade de Turim, norte da Itália, para venerar o Santo Sudário, mortalha que teria envolvido o corpo de Cristo ao ser colocado no túmulo. O pontífice partiu esta manhã às 8h15 do aeroporto romano de Ciampino e chegou às 9h15 locais ao aeroporto de Turim, onde foi acolhido pelo Cardeal Severino Poletto, Arcebispo de Turim, e outras autoridades eclesiais, além dos representantes do governo e pelo prefeito dessa cidade. A seguir, o Papa se dirigiu para a Praça São Carlos onde foi acolhido por mais de 50 mil fiéis. Bento XVI agradeceu a população de Turim pelo caloroso acolhimento e iniciou a celebração da Eucaristia. Em sua homilia, Bento XVI ressaltou que no passado a Igreja em Turim "conheceu uma rica tradição de santidade e generoso serviço aos irmãos graças à obra de zelosos sacerdotes, religiosos, religiosas de vida ativa e contemplativa e de fiéis leigos". Sendo assim, as palavras de Jesus no Evangelho de hoje, 'Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros', "adquirem uma ressonância particular para esta Igreja, uma Igreja generosa e ativa, a começar por seus padres" – frisou o papa. O Santo Padre sublinhou que "amar os outros como Jesus nos amou é possível somente com aquela força que nos é comunicada na relação com Ele, especialmente na Eucaristia, em que o seu Sacrifício de amor que gera amor se torna presente de modo real". O Papa disse aos sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas de Turim, para que "centralizem sua existência no essencial do Evangelho; cultivem uma real dimensão de comunhão e fraternidade dentro do presbitério, de suas comunidades, nas relações com o Povo de Deus; testemunhem no ministério o poder do amor que vem do Alto". O Pontífice sublinhou que "a vida cristã, caros irmãos e irmãs, não é fácil; sei que também em Turim não faltam dificuldades, problemas, preocupações: penso, em particular, naqueles que vivem concretamente a sua existência em condições de precariedade, por causa da falta de trabalho, da incerteza pelo futuro, pelo sofrimento físico e moral; penso nas famílias, nos jovens, nas pessoas idosas que muitas vezes vivem a solidão, nos marginalizados, nos imigrantes". Bento XVI exortou as famílias "a viverem a dimensão cristã do amor nas simples ações cotidianas, nas relações familiares superando divisões e incompreensões, ao cultivar a fé que torna a comunhão ainda mais sólida". "Aquele que foi crucificado, que partilhou o nosso sofrimento, como nos recorda também, de modo eloqüente, o Santo Sudário, é aquele que ressuscitou e nos quer reunir todos em seu amor. Cristo enfrentou a cruz para colocar um limite ao mal" – disse ainda o Pontífice. O Papa exortou a Igreja em Turim a permanecer firme naquela fé que dá sentido à vida e que jamais perca a luz da esperança no Cristo Ressuscitado, "que é capaz de transformar a realidade e tornar novas todas as coisas" – concluiu o Santo Padre. Siga o Canção Nova Notícias no twitter.com/cnnoticias Conteúdo acessível também pelo iPhone - iphone.cancaonova.com

CONFRATERNIZAÇÃO 2007

http://www.youtube.com/watch?v=UrJ7YOPI3s4 http://www.youtube.com/watch?v=09fkNCasW2Y

Faça seu Cadastro


Nome:

Endereço:

Telefone:

Data Nascimento:

E-Mail:

Mensagem: